Jornal Antena - Encantado RS

Thursday, Oct 19th

Last update09:27:50 PM GMT

Você está na seção:

A puxada de tapete que Paulo Costi aplicou em José Calvi

E-mail

 

Paulo Costi é candidato a prefeito em 2020. Ele confirmou tal possibilidade na semana que passou. Ao puxar o tapete do vice-prefeito José Calvi (PTB), que sonhava em ser candidato a prefeito, Costi confirmou, sem falar, a estratégia. Ele não quer barulho ou concorrência lá na frente.
Uma possível vitória de José Calvi como prefeito daria à ele (Calvi) o direito de tentar a reeleição. E podemos supor que Calvi como prefeito, com estilo próprio e estrutura, é difícil enfrentar. E Costi entendeu que não deveria correr tal risco.
Tal atitude do prefeito para com o seu vice de oito anos está tendo repercussão regional. Algumas lideranças querem saber os detalhes. Questionam se houve brigas que inviabilizaram o avanço de Calvi.
Na verdade o PP e o PTB possuíam um acordo. Calvi depois de dois mandatos como vice, teria o apoio do PP. Agora, recentemente, numa reunião, os trabalhistas foram informados que o PP pretende indicar o vice num acordo com o PSDB, de Adroaldo Conzatti.
Tal posição provocou surpresa e incredulidade nos partidários do PP e PTB. Muitos não entendem as motivações de tal quebra de acordo.
O PTB em paralelo abriu negociações com o PMDB, onde o possível pré-candidato seja o vereador Jonas Calvi, como vice de Agostinho Orsolin.
Tais mudanças trouxeram repercussão. A mistura de nomes, a alteração de peças, entre siglas de governo e oposição, derreteu as análises. Todas as estratégias, discursos, teses e conversas dentro das siglas e nas rodas de conversa da cidade, estão sendo refeitas.
A decisão de Paulo Costi é arriscada. Ou é um gênio da estratégia, ou encerra uma biografia política que não precisa ter tal fecho.
Ao impor sua vaidade pessoal, fugindo até a postura de cordialidade que quase sempre o caracterizou, o prefeito mostra um desrespeito com o PTB que constrange também o PP.
O Partido Progressista de Encantado é uma das mais expressivas siglas da política regional. A posição de Costi coloca o PP numa situação de constrangimento sem necessidade. Por interesse pessoal, o prefeito deixou o PP e centenas de assustados filiados sem entender qual o sentido de tal decisão.
Os filiados e simpatizantes vão para a campanha numa situação delicada. Valendo a realidade desta semana quando setembro chegar e o clima eleitoral esquentar os progressistas poderão estar criticando o antigo aliado, o PTB; e elogiando Adroaldo Conzatti (PSDB), que no passado pertenceu ao PMDB, até então ferrenho e histórico adversário.
Costi pode até dizer em palanques, entrevistas e conversas que a decisão foi do partido, ou da executiva da sigla. Ninguém no PP decidiria algo, neste delicado momento, sem ter a autorização de seu principal líder. Se não bastasse, nas negociações todas esteve presente o secretário de governo, Flávio Costi, irmão do prefeito, que segundo alguns, pode ser a segunda opção para 2020.
A política é dinâmica e tudo muda. Mas as pessoas têm histórico e posição que marcaram suas vidas e muitas destas querem continuar assim. O ego da política nem sempre entende os códigos pessoais dos filiados e eleitores.

a puxada_de_tapete

A desencantada política de Encantado

A política de Encantado morreu. Os partidos de maior expressão amarraram um acordo de insensatez coletiva. Siglas de diversos tamanhos e tendências, que se degladiaram nos últimos anos, decidiram por se unirem.
Num lado do ringue o governo vai ao encontro da oposição. No outro, parte da oposição caminha para integrar o bloco que é governista.
O primeiro olhar sobre o assunto oferece a leitura da ampla capacidade de diálogo das lideranças e partidos. É sinal da força do diálogo, da democracia e da elevada maturidade do fazer político.
O segundo olhar é mais profundo na sua leitura e oferece outras reflexões. Estamos vendo e vivendo uma demonstração de vácuo, carência de propostas e projetos. O real é apenas a busca de poder.
Governo e oposição sabiam que teríamos eleição em outubro e a escolha de novos representantes. A oposição ainda não definiu os candidatos. A situação também não. Não houve a preparação de cabeças para executivo e legislativo nestes quatro anos.
Neste coletivo desequilíbrio decidiram costurar acordos de difícil entendimento para os filiados e eleitores.
As forças de governo e oposição terão 45 dias, a partir de 16 de agosto, para na campanha eleitoral dizerem aos cidadãos o que podem fazer para melhorar a vida das pessoas e a gestão desta cidade. E dirão pouco, pois ao misturarem posições farão, numa linguagem popular, a política do “cachorro correndo atrás do próprio rabo”. E tal realidade vai acabar nublando as análises e o entendimento dos eleitores. Na impossibilidade de esclarecer, vamos confundir, é a conclusão.
Será uma campanha breve não apenas em tempo, recursos e promessas. Será pobre, também, pois até o momento os nomes indicados não trazem a riqueza do novo, da pluralidade, de futuro, dificultando a renovação de liderança e a construção de projetos.
Os nomes tradicionais, dos possíveis pré-candidatos, até o momento divulgados, neste jornal e em outros merecem respeito, pois deram a sua contribuição, na política local.
Mas isto não lhes permite ter procuração partidária ou coletiva de fazer da eleição uma gincana estudantil. Estão esquecendo da gestão de quatro anos, a governança, e a propositura de projetos de médio e longo prazo.
Na fotografia de hoje, a política de Encantado virou piada para uns e surpresa para diversos.
Para mim, morreu. Seus experientes generais e alguns novatos oficiais não sabem mais o que representam no campo de batalha da elevada política como cultura e sentimento de um povo. Medalhas e honrarias perderam os sentidos.

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Comentários  

 
+3 #4 Cristiane S santos 28-07-2016 09:49
Se a política fosse um serviço voluntario, tivesse apenanas um salário simbólico, essa busca desenfreada pelo 'poder' perderia o sentido e apenas os bons políticos, aqueles que realmente tem vocação para resolver problemas sociais apareceriam na urna eletronica. Talvez assim surgisse uma nova cultura de política pública
Citar
 
 
-1 #3 Maria 27-07-2016 13:21
Oie
Citar
 
 
+1 #2 Paulo Costi 26-07-2016 19:32
Feliz dia do amigo... Rsrsrs
Citar
 
 
-2 #1 jose ataides fernand 26-07-2016 17:08
qui vergonha esses politicos
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar